sábado, junho 10, 2006

sono

a neurose que sufoca tão pesado as palavras, deixa implícito um lusco fusco, um ritmo indenifinido. o contrário de nada é nada, pois é, o contrário do previsível é o previsível, e quando não é,
é definitivamente mais inteligente que você. pequenos momentos de satisfação, é insuportável pensar que não estou a procura da satisfação eterna. insuportável.
hoje, saí do bar e queria só um sexuzinho, um nada de nada, mesmo que amizade, pra deslocar esses músculos da plataforma
que se estranharam.
como na sinuca, as palavras seguem brotando. quiçá o samba, quiçá a maratona. ainda a inquietação entre as coxas. dou te um belo de um foda-se, e um cheiro de eu e ti pairando no ar. quero sim, sim, quero sim. não gosto não do começo do lusco fusco, nem do meio, nem do fim. ainda tô aprendendo. é sim. meia garrada de uísque. mil xerox. e eu só preciso de uma pitadinha de carinho.

Um comentário:

Calças... disse...

quero tanto carinho quanto você
quero dar carinho também pra você
quero aceitar carinho que venha de você.