quarta-feira, dezembro 17, 2008

sim

a,b,c,d,e;
1,2,3,4,5;
combinações fatoriais dum mesmo ser.
as mais óbvias
e as menos evidentes.
dou-te um buquê de flores pra te comer.
não te como,
tal pouco te desejo.
tenho o amor puro dos mais sinceros.
amor de ser perder pelas ruas de minas gerais,
em tantos balcões, sacadas,
em que marílias se perdiam.
meu amor é pouco.
meu amor é ralo.
meu texto é livre,
mas não meu amor.
nem minha vida.
taopouco o meu ódio.

a vida vai amarrando suas mãos grossas sob mim e eu ainda não peço pinico,
pois cócegas tem dentro delas prazer.

2 comentários:

aninha disse...

sua bêbada

juba disse...

que louco


o amor não pode perder o prazer