sexta-feira, dezembro 22, 2006

vamos beber um vinho?

o dia inteiro desamparado. mas já não podia beber, não podia sequer reagir com um sorriso, ou meio. surto mudo. invadiu seu próprio útero, alcançou o som da luz, quis fazer do sim, talvez. interrompeu o tempo vendo o céu.
era o monstro novo que tinha nas visceras. angústia que quando se mexe causa enxaquecas e hemorragias.
entrou correndo no quarto, balançava os cabelos como um lunático, pôs os tambores africanos sintetizados, e dançou toda cegueira.

cortou os cabelos com as mãos nuas de calos.
(medo do depois de desconstruir todas personas)

desespero bom de se tacar na janela.

Um comentário:

juba disse...

vamos beber os melhores