terça-feira, fevereiro 13, 2007

menino

toda vez que o vejo por essas esquinas
como um animal machucado
fumando compulsivamente com sua mãos sedentas por alcool
trêmulas e pálidas
lembro de algo
que nem sei a forma
(nem sei se existiu)
e grito, berro com ele
tento sucitar do silencio dele algo real
mais real do que aquela ostra com pernas.
eu fico com raiva e ele nunca passa do limite da hipocrisia.
papos cretinos.
vida cretina.
e eu tenho medo que a minha agressividade possa afasta-lo.
afasta-lo do que me pergunto?
ele é pálido e parece carniça
e eu não vejo vida nos seus olhos.

2 comentários:

peixe disse...

parece que se a gente nao prende e puxa ele se solta, vai se afastando. e tem que ficar cultivando amor só de um lado. só de um lado até o amor ir e ser raiva. mas não dá pra ser raiva de um lado só também. não dá pra ter sentimento nenhum de um lado só e a gente fica se pergunta o que lhufas ele sente.

aninha disse...

hahaha... genial