terça-feira, fevereiro 27, 2007

teorema de peixes

na falta de saber qualquer acorde ou letra, poema ou piada,
pra te fazer dormir,
invento uma palavra.
mesmo que nunca possa deixar de ser-me com tantos dentes,
a verdade é que pra você eu também inventaria felicidade,
inventaria o subjulgo da solidão,
a dissolução dos egos,
a subnutrição da angústia.
invento tudo e tanto,
que as vezes até duvido
se esse mundo não fui eu que fiz pra você.
mas fecho os olhos e você aceita,
e dorme com o descanso afoito das crianças,
no meu ombro esquecido por trás dos seus cabelos.

2 comentários:

juba disse...

o nets, esse seu poema é a vida

glória disse...

subjugo imbecil