domingo, dezembro 09, 2007

sorrir

eu tinha a pele que sempre tive como as marcas vão e vem num dia de sol bem feito. me alegrava com as pequenas coisas, bastava que sorrisse pra que o dia desdobrasse em outras memórias antigas. já não tinha fome, agonia não tinha, era toda feita desses vestidos rodados inventados pra se gozar a vida. pois era se submetendo por todos os dias a tais felicidades de momento que em cada cabelo ao vento te imaginava cantando. fazia parte uma vez uma toalha vermelha e branca com bolos e frutas. uma bicicleta de menino bem bem pobre com boina. tudo fazia parte e sendo-me como acabava de ser e vendo-te os olhos cheios de água, éramos aquela imensidão de tonalidades crespas, de ríspidas e bondosas emoções, tornadas poço de alguma prova em volta de todo aquele ar.

2 comentários:

juba disse...

leite

juba disse...

leite