quarta-feira, julho 15, 2009

mandinga

duas jabuticabas a guardar os segredos da minha pele no fundo do seu rosto.
ao invés de dormir ela me tocava
reacendendo todos os cheiros que trocamos de vez
procurando uma espécie outra de alguma paz.

eu me movia silenciosamente por aqueles lugares que comecia a conhecer,
pretendia ser luz, embora um desejo escuro estivesse fundamente infiltrado nessas intenções.
ela intermediava o vento de sua índole com a escuridão de seus mistérios.

nos amamos sem subterfúgios nem iluminação,
na sala uma vela branca queimava por nós.

2 comentários:

Anônimo disse...

e alguém ao longe vela por esse amor

Ládentro disse...

que bonito e bom de ouvir..