quarta-feira, julho 22, 2009

sol em gêmeos

passa os dedos pelos cabelos do fogo sem medo de se queimar.
vão descendo as cervejas em fluxo intenso sem medo de se queimar.
chegando no bar se senta com as pernas abertas, e um sorriso seguro.
o que falar não importa e tampouco importará,
seu coração não está ali e nem em lugar nenhum.
as meninas enfileiradas em sonhos nas barcaças dos bares esperam
o seu charme fácil.
pois não tem nada a perder suas palavras são muito interessantes.
apesar do frio da noite e dos seus olhos claros
suas mãos e seus braços ainda são quentes,
e aquecem bem as mulheres.
no entanto quando chega a manhã e seus músculos cansam do espetáculo
ele as devolve ao frio,
muito interessado em conhecer
os hábitos reprodutivos da lagarta asiática.

Um comentário:

Maria Negrão disse...

Fico triste quando penso que a gente nunca mais vai se ver em palavras aqui. Mas eu continuo a escrever pra você.